Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Registo 90

Registo da vida a mudar desde 01/01/1990.

Registo da vida a mudar desde 01/01/1990.

Mais sobre mim

foto do autor

Eu nas redes sociais:

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Minimalismo: Como não desperdiçar o desapego?

Muitas publicações sobre minimalismo incentivam as pessoas a livrar-se daquilo que lhes causa transtorno, ansiedade, daquilo que não lhes permite seguir em frente ou estar feliz.

 

No entanto, tornar-se minimalista é uma jornada de conversão. Não é uma mudança automática e repentina. 

 

Todos temos roupas que não usamos, mas que vamos fazer com elas? Vamos doar? Mas você era capaz de doar aquela blusa que está demasiado usada e que já foi lavada muitas vezes? Talvez não. E se essa blusa muito usada não estivesse assim tão usada que merecesse ir para o lixo? Talvez corta-la em quadrados e fazer um novo pano de limpeza com ela? Mas quantos panos de limpeza você precisa efetivamente? Afinal você é um recém-nascido minimalista que quer ter apenas aquilo que lhe trás felicidade e que quer livrar-se de toda a trabalha que lhe cria ansiedade e que não lhe acrescenta!  

 

Maria Kondo diria para segurar no recém criado pano e perguntar-se: "Isso trás-me felicidade?". Um pano pode trazer-lhe a felicidade de ter uma casa limpa, de ser um bom pano, de ser o melhor pano para limpar os seus móveis, mas quantos panos você precisa realmente?

 

Algo que eu descobri na minha jornada para me tornar um minimalista e me livrar de vários pesos na minha vida foi que essa é uma mudança progressiva. Vários itens eu ofereci pelo Natal a pessoas da minha família ou amigos, alguns itens eu doei para o bazar da caridade, alguns itens de facto foram para o lixo.

 

No entanto, vários itens que não estão bons suficientes para serem ofertas, nem para a caridade, mas que não estão maus suficientes para irem para o lixo foram separados. Separei também itens que vão ser úteis. Tenhos uma coleção de 10 after-shaves que me fazem falta. Não todos em simultâneo, mas deitá-los fora, seria um desperdício, e dá-los seria desperdiçar um recurso que mais tarde eu vou ter que comprar a determinada altura, por exemplo.

 

Durante os próximos 6 meses e até ao fim do Verão eu tenho um conjunto de itens que são os únicos que eu utilizo e que vou utilizar até acabarem ou estarem em tal estado que mereçam ir para o lixo.

 

Outra coisa importante é que nessa jornada em que nos livramos de muitos itens devemos livrarmo-nos deles da forma apropriada, tentanto reutilizar e reciclar antes de reduzir.

 

Seja responsável na sua jornada minimalista.

Mais sobre mim

foto do autor

Eu nas redes sociais:

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.